Sentimentos opostos.

O que realmente importa no amor? O sentimento que é sem definição ou explicação, uma felicidade incomensurável sentida em todos os segmentos do corpo, em cada entranha da alma. Ou aquele desejo carnal, de pele com pele, de toques entre dois corpos, de uma atração mais forte que uma relação?
Esses são dois pontos chaves no filme A Última Noite (Last Night), o qual particularmente gostei muito, por não imaginar que a trama seria tão bem segmentada, é um filme curto, são noventa minutos muito bem divididos, uma obra simples e particular.
O filme é ambientado em Nova York, onde um casal Joanna e Michael vivem. Os personagens principais são vividos pela atriz inglesa Keira Knightley e pelo australiano Sam Worthington. Os dois são casados e não imaginam que nas próximas horas de seu dia, a vida deles passará por várias mudanças. Michael tem que fazer uma viagem de trabalho, onde ficará em um hotel com seus colegas de trabalho, lá passará uma noite na companhia de sua colega de empresa vivida por Eva Mendes, e Joanna em uma manhã normal de sua rotina quando sai para comprar café, acaba reencontrando um amor do passado que não mora mais nos EUA. O dia que seguirá retratará como os dois passarão por essas pessoas, de um lado Michael sente-se atraído por sua colega, Laura. Do outro lado temos Joanna que não acredita que realmente esqueceu completamente seu amor do passado. Será que o amor dos dois será mais forte que essas tentações?
O filme foi lançado sem nenhuma pretensão, mas ele choca quem o assiste por ser tão natural, delicado e simples. É um tema que aborda o que o ser humano realmente quer, fazendo um contraponto entre o homem e a mulher, focando na razão e no desejo carnal. Muitas vezes há um desejo por outra pessoa, mas isso não quer dizer que o amor foi esquecido no casamento, eles vão passar por situações que vão mostrar aquilo que realmente estão vivendo.
É um filme que toca o telespectador, um chamado para pensar no tema, se realmente somos fortes o bastante para deixar que nada supere o amor que sentirmos por outra pessoa. Em vários momentos você torce para que alguma coisa aconteça, para que a história mude, para que os laços não se desprendam, mas o surpreendente é não saber o que a razão e a emoção vão querer.
Tenho certeza que depois de você assistir vai repensar o que realmente importa, é que muitas vezes atitudes que tomamos não mudarão o que realmente sentimos. O final pode não ser aquilo que você espera, acredito que a maioria das pessoas não pensa da maneira que o final se conduz, mas vale a pena refletir. Somos realmente feitos para que o amor prevaleça acima de tudo? Ou somos corpos em busca de prazer?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s